Coronavirus x Idosos - vamos vencer essa guerra!

Por Rosa Maria Paulino

A esta altura todo mundo já sabe que o maior grupo de risco nesta  pandemia de coronavirus é formado pelos idosos, particularmente aqueles com problemas de saúde pré-existentes, e por pessoas com doenças como diabetes, hipertensão e problemas respiratórios.

Não existe evidência de que pessoas idosas tenham maior facilidade para adquirir a doença mas, de acordo com os especialistas, as pessoas acima de 60 anos, se infectadas, têm maior probabilidade de ver a doença se agravar. Isso acontece por dois motivos: pela maior probabilidade de já sofrerem alguma condição física que afete a capacidade do organismo de combater e se recuperar da doença e pelo enfraquecimento do sistema imunológico decorrente do envelhecimento. Por isso, idosos e seus familiares precisam estar particularmente atentos às medidas de precaução recomendadas pelas áreas da Saúde.

Cuidados básicos de prevenção

  • Siga as recomendações dos especialistas da área de saúde. As recomendações de como proceder com relação à pandemia são alteradas frequentemente, em função de sua evolução. Acompanhe os pronunciamentos oficiais dos especialistas da área da Saúde.

  • Adote as medidas básicas de higiene: lave as mãos frequentemente com água e sabão, por no mínimo 20 segundos, sanitize mãos e objetos de uso frequente  com álcool gel a 70%,  cubra boca e nariz ao espirrar ou tossir, não fique muito próximo das outras pessoas.

 

  • Evite transporte público, aglomerações e lugares mal ventilados, que facilitam a transmissão do vírus.

 

  • Evite reuniões familiares mas se forem necessárias, reduza o número de pessoas e adote todas as medidas de higiene recomendadas acima.

 

  • Faça um estoque razoável de suprimentos básicos, não perecíveis, e artigos de higiene, para evitar saídas constantes, mas não exagere na quantidade, evitando contribuir para a escassez de produtos.

 

  • Se estiver em quarentena, não corte totalmente o contato com familiares e amigos. Isso permite que eles estejam atualizados sobre seu estado de saúde e ajuda a reduzir a ansiedade e por estar isolado.

 

Mude sua rotina de atividades diárias

  • Cancele consultas médicas ou visitas ao dentista que não sejam absolutamente necessárias. Muitas vezes, é possível compartilhar os resultados de exames e conversar com o médico por telefone. Peça a seu médico uma prescrição suficiente para dois ou três meses de consumo de remédios de uso contínuo.

 

  • Algumas lojas estão oferecendo horários de compras exclusivos para idosos e pessoas em situação de risco, mas é preciso também evitar aglomerações  e assegurar uma distância de no mínimo 1,50 m entre as pessoas.

 

  • A opção mais segura é pedir que alguém, que não faça parte do grupo de risco, faça suas compras ou comprar por telefone ou pela internet e pedir para entregar em casa.

 

  • Troque grandes supermercados com longas filas por comércios menos procurados. Aliás, com a crise na economia, isso até ajuda a manter os pequenos comerciantes funcionando.

 

  • O distanciamento social, uma das recomendações básicas das organizações de saúde, pode resultar em isolamento social, um problema comum já existente na população mais velha. Não cancele o convívio com amigos e parentes idosos, apenas troque a presença física pela presença virtual. Use Zoom, Skype ou FaceTime. Não se esqueça da antiga forma de comunicação, o telefone.

 

  • Só viaje em caso de necessidade absoluta. Aliás, este é o pior momento para fazer um cruzeiro, onde o risco de transmissão é maior e o processo de quarentena, se necessário, mais difícil.

 

Cuidados especiais com idosos e pessoas vulneráveis

 

Apesar de os jovens estarem mais expostos ao novo coronavírus, em função de suas atividades escolares, os sintomas da Covid-19 são menos severos neles e podem ser até inexistentes. Mesmo não apresentando sinais da doença, jovens e adolescentes podem acabar transmitindo o vírus aos avós ou familiares idosos, mais vulneráveis. Por isso, é importante ficar atento ao que se passou a chamar distanciamento social.

 

Em função da restrição de visitas e cancelamento de eventos e atividades comuns, existe a preocupação de que o distanciamento social possa afetar as rotinas e ameaçar a vitalidade dos idosos. O isolamento pode agravar ainda mais o risco de outras doenças se desenvolverem. Além de elevar o nível dos hormônios do estresse e inflamações, a exclusão pode aumentar o risco de doenças cardíacas, artrite, diabetes tipo 2 e depressão.

Ajude os idosos a assumirem o controle das medidas de precaução que precisam tomar, para que se sintam envolvidos e não penalizados pela situação. Em clínicas de repouso, principalmente, os rumores e as notícias desencontradas podem deixar as pessoas assustadas e inseguras. Converse com elas de forma clara e transparente, atualizando as informações a intervalos regulares.

É importante manter uma rotina saudável, com horas suficientes de sono, alimentação equilibrada e atividades físicas. Exercícios ajudam a estimular o sistema imunológico, reduzir a inflamação e manter a saúde mental e emocional.  Se for necessário suspender exercícios em ambientes fechados, talvez seja possível caminhar em locais abertos e pouco frequentados.

E caso tenha amigos ou familiares em clinicas de repouso, converse com os cuidadores sobre as medidas de prevenção. Certifique-se de que estejam lavando as mãos e usando álcool gel. Equipamentos utilizados devem ser higienizados e desinfetados. E tenha certeza de que estejam saudáveis.
 

Solidariede em tempos de coronavírus:

 

  • Não estoque produtos. Se já tiver comprado produtos básicos em excesso, considere doar parte do estoque a uma instituição assistencial ou a um vizinho que não possa sair.

  • Busque formas de ajudar sua comunidade: ofereça-se para fazer compras, para passear os cães, ajude as pessoas a se organizarem para enfrentar a quarentena  ou telefone aos idosos solitários para saber se estão bem.

 

  • Se fizer compras para pessoas vulneráveis, deixe-as na porta de entrada ou mantenha uma distância segura ao entrar na casa. E não se esqueça de sanitizar mãos e superfícies antes e depois da entrega.

 

  • Faça compras ou outros serviços externos se possível de uma única vez para limitar a sua exposição. Todos, e não apenas os idosos, deveriam se manter seguros tanto quanto possível.

  • O isolamento tende a ser muito cruel para pessoas idosas. Use a tecnologia para mantê-las contatadas. Configure celulares ou notebooks para facilitar a comunicação virtual das pessoas mais velhas. Mostre como assinar podcasts e identifique podcasts de seu interesse.

  • Ajude as pessoas a encontrarem coisas interessantes para fazer online. Várias empresas estão disponibilizando acesso gratuito a seu conteúdo virtual nesse momento de crise. Além disso, vários sites  oferecem acesso gratuito  a cursos online, concertos virtuais e tours por museus famosos.

  • Ofereça-se como contato em caso de emergência para familiares de idosos que morem em outra cidade ou estado.

Esse período vai ser difícil e desafiador, mas em algum momento, vai passar. Enquanto isso, se cuide e cuide dos outros.

 As informações contidas neste site não substituem em hipótese alguma as orientações dadas pelo seu médico. Somente ele está apto a diagnosticar e tratar qualquer problema de saúde.

Gostou deste artigo?
Cadastre-se e receba um alerta sempre que um novo artigo for publicado.
Quer ler outros artigos sobre Saúde & Bem Estar?