7 Erros a evitar na hora de investir

Por Rosa Maria Paulino

Ainda não se descobriu a receita para garantir que todo investimento traga o retorno desejado, mas evitar os 7 erros abaixo pode aumentar suas chances de sucesso.

Confundir longo prazo com curto prazo

Quando o mercado está em alta, todo mundo é um investidor com perfil de risco, mas é só ocorrer uma queda de 10% para esses investidores de risco saírem correndo vendendo suas ações. É um erro olhar para seus investimentos de longo prazo com olhos de curto prazo. Vender suas posições depois de perder dinheiro e comprá-las  de volta depois que o mercado se recuperar faz com que você venda na baixa e compre na alta, o oposto do que os profissionais da área recomendam.  Uma dica para minimizar os riscos é evitar comprar quando o mercado estiver subindo muito (porque o potencial de valorização já estará se esgotando) ou vender quando estiver  caindo muito (porque a margem de lucro será menor).

Se prender a um investimento que não vale a pena

Nem todo investimento será um sucesso e um investidor precisa saber lidar com resultados desfavoráveis. É preciso ter disciplina emocional para reconhecer seus erros e minimizar suas perdas. Como diz o ditado: é melhor um fim com terror do que um terror sem fim. Se o investimento está deficitário há 10 anos, não faz sentido esperar outros 10 para recuperar seu dinheiro. Ao invés de manter o investimento deficitário, faça uso da possibilidade de abater o prejuízo sofrido do imposto de renda devido em decorrência de ganhos de capital.

Confiar em pessoas com pouca experiência

Com a variedade de produtos de investimento oferecidos pelas instituições financeiras, é comum se sentir perdido na hora de decidir onde colocar seu dinheiro. E é nesse momento que parece uma boa idéia seguir a recomendação de parentes ou amigos bem sucedidos em sua área de atuação, mas sem qualificação para fazer recomendações sobre investimentos financeiros.  Se você já fez isso, aprenda com a experiência. Se o produto for muito ruim, siga a recomendação acima e estude o melhor momento e a melhor forma de trocar esse produto por outro. No futuro, busque recomendações de pessoas devidamente credenciadas. Se consultar seu gerente de banco, compare suas recomendações com a de gerentes de outras instituições, para ter certeza de que o produto atende às suas (de você, leitor) necessidades, e não às necessidades de remuneração dele, seu gerente.

Achar que a rentabilidade passada irá garantir a rentabilidade futura

Basear-se no retorno passado de um tipo de investimento para tomar suas decisões financeiras pode resultar em perdas significativas. O fato de um produto ter tido uma performance espetacular no ano passado não significa que ele trará o mesmo retorno este ano. É preciso levar em conta que o comportamento dos investimentos é afetado pelo contexto econômico nacional e internacional. Por exemplo, um período de recessão econômica pode oferecer ações baratas, com potencial de valorização. Da mesma forma, um aquecimento muito vigoroso de um tipo de ativo pode indicar que ele atingiu o ponto máximo da curva de valorização, a partir do qual seu valor começa a decrescer. 

Não ter uma estratégia de investimentos

Na hora de escolher investimentos, tudo que tem a fazer é optar por aqueles que tiveram melhor performance, certo? Errado. Antes de aplicar seu dinheiro, você precisa criar sua estratégia de investimentos, determinando as classes de ativos que funcionam melhor para você e escolhendo os melhores investimentos nessas categorias.

Ao fazer isso, certifique-se de comparar banana com banana. Alguns fundos rendem mais que outros - fundos de renda fixa, por exemplo, não podem competir com fundos de ações, por  terem ativos de natureza diversa. Diferentes tipos de fundos servem a diferentes propósitos - um fundo de renda fixa pode trazer estabilidade a seu portfólio.

Neglicenciar a etapa de pesquisa

Todo investidor precisa fazer sua lição de casa. Antes de escolher em que fundos alocar seu dinheiro, você precisa conhecer alguns aspectos fundamentais sobre ele:

  • tipo de fundo: crescimento (grandes empresas) ou valorização (pequenas empresas)-

  • histórico de gestão (qualidade e estabilidade)

  • custo do fundo

  • investimento mínimo necessário

  • lista de ativos no fundo

  • informações sobre o desempenho do fundo (tendo em mente que desempenho passado não garante desempenho futuro)

 

Obtenha uma cópia do relatório de resultados mais recente (provavelmente disponível na internet). A análise feita pelo gestor do fundo sobre os últimos 6 meses irá lhe dar uma idéia de como o fundo é administrado.

Ignorar seu portfólio

Comprar e manter suas ações ao longo do tempo é diferente de comprar e ignorar seu portfólio. Se não acompanhar seus ativos, você não saberá como seu portfólio está se comportando e nem se ele continua balanceado. Sem isso, você não saberá quando fazer alterações em seus ativos de modo a atingir seus objetivos financeiros.


Alguns experts recomendam rever seu portfólio a cada 3 meses. Outros recomendam a cada 6 meses. Mas todos concordam que é fundamental fazê-lo no mínimo uma vez ao ano.

Esta informação tem caráter educativo apenas e não deve ser considerada como recomendação de investimentos. Procure a orientação de um consultor financeiro antes de tomar suas decisões de investimentos.

Gostou deste artigo?
Cadastre-se e receba um alerta sempre que um novo artigo for publicado.
Quer ler outros artigos sobre Suas Finanças?